Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

04/05/2012

Pueblo - Uma infinidade de opções – parte 1: a janta!



Parece brincadeira, né? Mais um estabelecimento situado quase na esquina do meu trabalho, dessa vez estou falando do Pueblo, um restaurante mexicano de primeira. Eu e o Maza já tínhamos ido ao local uma vez, e agora resolvemos revisitar, também em função da localização, mas principalmente por se tratar daquele tipo de local que, de tempos em tempos é bom retornar, e se é próximo do local de trabalho, melhor ainda.

Mas vamos lá! Em um certo  dia resolvemos que em uma bela noite iríamos revisitar o Pueblo. Atravessada com mapas como sou, parti do princípio que deveria ir e descer a Av. Carazinho, atravessar a Nilópolis, etc, etc. Em torno de meia hora de caminhada daqui do escritório. Como o local abre 19h estaríamos com tempo. Ok? Não... hehe eu estava imaginando o mapa de cabeça para baixo. Sério, tenho problemas com mapas de ruas.

O Maza, mais atinado com isso já veio certo, dobra ali, caminha aqui, mais uns minutinhos pra lá e pronto! Chegamos ao local.

Os detalhes nas paredes pelo lado de fora:



E que tal a casa pelo lado de dentro? A decoração é de extremo bom gosto.




O balcão onde fica o caixa e as bebidas.


Algumas mesas, e ao fundo a porta de saída.


Mais uma foto legal, a casa conta com dois ambientes, esse painel fica entre ambos.


Mas vamos ao que interessa?

De arrancada pedimos essa belezura: uma margarita frozen de morango... Gelada até congelar as ideias, adoro isso!



Mas vamos pedir uma entrada, o escolhido (por mim) foi o trio de pastéis de queijo. Não somos mega fãs de queijo, mas os pastéis estavam ótimos.



Um espetáculo de queijo!


Depois dos pastéis, escolhemos as Fajitas: 4 tortillas de trigo, 2 tortillas de milho, carne grelhada na chapa, cebolas, pimentões e de acompanhamentos alface, tomate, arroz, feijão, queijo, guacamole, molho e creme de nata  – podendo ser escolhidas 4 opções de carne dentre alcatra, peito de frango, linguiça, lombinho ou carne de panela; ou ainda, filé mignon ou camarões com mais 3 desses anteriores, e o preço muda é claro. Escolhemos alcatra, frango, carne de panela e lombinho.

E chegou nosso pedido!





O interessante desse prato é que a gente mesmo monta os tacos e burritos.

Meu primeiro ficou assim:


O do Maza (sempre mais contido nos recheios, acho que não estava com tanta fome... hehe):


Uma Coca de garrafa para acompanhar tudo isso...


Pois a essa altura eu já estava bem faceira, aproveitando o finzinho da margarita... hehe


Esfriou a carne? Pede pro garçom colocar fogo no fogareiro! Bem azulzinho...


Comemos muito. Muito mesmo! Normalmente esse pedido daria numa boa para 3 pessoas. Com essa dupla de blogueiros, nossos pratos e copos ficaram assim: vazios!



Mas quem disse que não sobra espaço pro café? Muito bom por sinal.


Ao final nossa conta ficou em torno de 50 reais por pessoa. Um custo x benefício mais do que aceitável. Aproveitamos muito nossa noite, falamos de filmes, música e outros. E é claro, nos deliciamos com essas maravilhas que a casa oferece. Saímos de lá com a promessa de que eu voltaria para o almoço, pois eles servem buffet de comida mexicana no horário do meio dia. Perfeito! Mas isso é história pra outro post... hehe

A noite só não foi mesmo perfeita por ter demorado 40 minutos (achamos que foi mais, mas não seremos injustos, 40 minutos é certo que levou) para chegar um táxi. E curioso: normalmente nós pedimos o táxi pelo celular. Nesse dia pedimos para a casa fazer isso. Depois de 10, 15 minutos fomos falar com um ou outro garçom e retornaram, dizendo que tinham ligado de novo. Ficamos do lado de fora esperando. Mais uns 20 minutos e resolvemos nós mesmos ligar para rádio de táxi. Ligamos para 3 rádios diferentes, sendo que fizemos o pedido por apenas uma. E as 3 rádios falaram: hoje a noite está calma, de 5 a 10 minutos chegará um carro. E de fato, não levou 5 minutos da nossa ligação e chegou um carro. Não podemos afirmar nada, mas ficamos com a NÍTIDA impressão de que o pedido de nosso táxi não foi feito pelo local. Portanto, fica a dica: quando forem ao local, na saída peçam o táxi vocês mesmos hein! hehe

E filme, qual seria o ideal para este dia? Em minha opinião, nada melhor que O Labirinto do Fauno. Simplesmente adoro este filme, já vi uma meia dúzia de vezes, e inclusive foi o primeiro a que assisti em espanhol sem utilizar legendas. Tanto a canção, quanto a cena ao final do filme volta e meia me vêm à cabeça. O Labirinto do Fauno é dirigido pelo sempre eficiente Guillermo Del Toro, e consegue trabalhar com maestria as terríveis imagens e consequências da Guerra Civil Espanhola, juntamente com a aura de fantasia que envolve Ofélia, uma garota que, ao se mudar com a mãe para um posto militar na Espanha – a fim de que morem na residência do padrasto – decide explorar os arredores e encontra um labirinto, no centro do qual vive um Fauno que acredita que ela seja a herdeira do Mundo Subterrâneo, e para provar que o trono é seu por direito, ela deve realizar três provas, extremamente perigosas.


O filme é de uma beleza cruel. As cenas da guerra dividem espaço com a fantasia da menina. É um filme duro, poético e melancólico. Que mesmo em meio à fantasia consegue ser trágico. Enfim, uma obra que merece ser vista e revista, não só pelo seu excelente roteiro e interpretações, mas pela belíssima fotografia e trilha sonora. Uma obra prima, sem sombra de dúvida.



Av. Ijui, 147 – Petrópolis – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3332 5540

Nenhum comentário:

Postar um comentário