Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

08/06/2012

Joe e as batatas. E os hambúrgueres. 240 na cabeça, a volta.



Sou daqueles que passa por momentos inconstantes, de estar triste em meio a uma multidão só de gente boa e de rir sozinho em meio à tristeza (sempre me lembro rindo em um enterro, acho que foi o primeiro e único velório que fui...coincidência ou não, anyway...). Nessas de colocar um pouco de bobagem e riso na vida, vamos sair para comer: ah comer, um desses prazeres da vida. Se você está entre amigos, o grau de satisfação já chega à potência máxima. E se com tudo isso é um lugar que você já conhece, aprova e tem desconto de compra coletiva... alcançar o Nirvana, fácil, fácil. Assim, Luciana, Júlia, Felipe e Maza, fomos para o Joe e Leo’s do Bourbon Country, curtir a vida. Sim, você já leu sobre ele por aqui, mas foram pedidos mais comportados, sem bagunça e outros. E a Júlia sempre dizia, o hambúrguer dos caras é o melhor da cidade... concordo! Mas não só hambúrgueres, nachos, bebidas... e quanto mais bebidas, mais alegres ficam esses blogueiros hein...


Da esquerda para a direita: Felipe, Julia, Maza e Luciana. Ou se preferirem: @Fiesbick @jububbles @Cinefilo_Maza e @luaamil


Mas calma, antes de chegar ao momento acima vamos relembrar, dar uma geral: o fato é, tínhamos comprado 4 cupons de 30 reais cada e cada um dava direito a consumir o dobro por pessoa. Feitoria!

De cara fomos lá para o fundo, próximo ao banheiro, o som rolando, etc. Chamamos o garçom (que miseravelmente não tiramos fotos do cara, mas passamos a chamá-lo de 93, vide a camisa que ele estava usando com, pasmem, esse número... será mesmo que não temos foto do cara, é um fantasma?) e cara, vai anotando nossos pedidos... um prato, 2, 3, 4... mais um para todos dividirem... eu achei muito estranho, muito estranho a confiança dos demais e da Luciana no garçom. Nada contra o 93, mas era hambúrguer de um tipo com molho de outro e queijo de outro parte 2, era pão de um naipe, com extra de um tipo e carne de outro... pode chamar o melhor garçom que tem, se não revisar isso ae vai dar caca, vai dar zebu...’não, ele anotou tudo certinho’, disse Luciana...Ok Lu, se tu coloca a mão no fogo tá beleza... eu não coloco a mão no fogo nem pelo Alfred, mordomo do Batman, quem dirá pelo 93, mas ok, confiança e senso de viver perigosamente na vida é tudo...

Bom, bebidas não teve erro. E nada contra o leão Ice Tea do Felipe ou a Aquarius da Júlia, mas Coca-Cola na garrafa, e a garrafa com cara daquela das antigas, do tempo que o pense bem era mais sonho de consumo que um PC, que o Pacato virava o Gato Guerreiro e que a She-Ra era a irmã do He-Man... Joe, avisa pro Leo que vocês estão de parabéns, sigam nesse caminho, tri massa, moró, chuchu beleza broto!



E os pedidos chegaram... me parece que alguém ficou com a mão pegando fogo, mas...

Antes disso tem nachos, eeeeeeeeeeeei nachos da hora, bem servidos e com sour cream, pico de gallo (leia-se tomates, cebolas e afins picadinhos) e especial chilli com carne, guisadinho da hora esse que os caras fazem... para começar uma noite, muito bom... ainda mais para os blogueiros que só tinham feito um almoço de leve, ali pelo meio dia e passaram o resto do tempo seco, sem café da tarde, sem comida nem nada (optaram por pegar uma sessão de cinema com A Separação, no único local que ainda passava o filme. Muito foda o filme, que roteiro, atuações, que plano magnífico nos minutos finais, em meio aos créditos... a Luciana não gostou muito do filme, mas ô psiu, ô da poltrona, ela não curtiu tanto Scott Pilgrim, nem acha Zumbilândia tudo isso, assim como Following e outros tantos filmes... cada um com seu gosto, vai entender...), nada como arrancar com nachos!


A Júlia e o Felipe pediram o Great J & L (double cheeseburger de 200g de carne bovina com fatias de bacon crocante) com o acompanhamento especial de cebola no shoyo. A Júlia pediu o molho curry para acompanhar, o Felipe o tártaro.



Sim, vocês notaram que já tem molho trocado, mas foi fácil de resolver... mas a Júlia estava empolgada e queria falar mais da cebolinha dos caras...


“A cebola é demais, é crocantezinha e com o molho shoyo, é mara. Tem gosto de maravilha. E o bom é que eles não exageram no shoyo, deixando o hambúrguer todo com o gosto do molho, dão apenas aquele toquezinho especial.”

Ta ae o pedido da Júlia, devidamente já provado e aprovado.


O meu pedido foi o Classic (hambúrguer de 150 gramas, alface e queijo american cheese), um pouco menos recheado que os dos demais amigos (por que será?), com pão integral e incrementado com tomates secos, delícia... o molho veio barbecue e minutos depois foi devidamente trocado para o curry... e as batatas fritas da casa também são invariavelmente muito boas...  meu veredicto sobre todo o prato: Muuuuuuuuuuuuito saboroso.



Agora sim, a menina confiante, a Luciana é que se deu mal mesmo, confiou e se queimou... até tive que segurar ela porque a vontade dela era dizer: “PEDE PRA SAIR 93, PEDE PRA SAIR PORRA, PEDE PRA SAIR!” rsrsrs

“O meu hambúrguer veio errado, com queijo cheddar (na boa, odeio cheddar). Ok, levaram, trocaram e na volta veio bagunçado, quase sem recheio (cebola e alface)”


“Daí levaram de volta e trouxeram com os recheios em maior quantidade. No meio ainda tinha um pouco de cheddar, pois eles tiraram o hambúrguer de dentro do pão, tiraram o cheddar de cima e colocaram o american cheese.”


“Depois disso tudo estava uma delícia. Maionese de ervas e batatas polvilhadas com páprica. Acompanhava aquele outro molho branquinho chamado sour cream. O meu hambúrguer foi o Mexican, com pão integral.”

Eu, que ando forte demais (e com orgulho, cada vez mais e sempre me esforçando para ir além, ‘para o alto e avante’ como diria alguém), aliviei no hambúrguer por apenas um motivo: para me reforçar nos nachos!


E digo, afirmo e reafirmo se for preciso: nada como acabar com o molho dos ‘pseudoritos’ com umas fritas passando por eles, espetáculo (ae, se não criaram ainda, fica a dica: batatas fritas com molho de tempero de nachos, vai por mim que fica bom. De nada Joe, tu merece. E manda um abraço pro Leo, gente boa também).


Nisso, chamamos o ninety three e questionamos: quanto temos de crédito ainda? 38 reais. Tudo isso e ainda temos 38 reais para usufruir? Mas bem capaz que vamos embora sem torrar essa diferença de valores, viemos aqui para comer e beber como se não houvesse amanhã (ou quando chegarmos aos 240, o que chegar primeiro)... o Felipe já estava lá, pensativo em qual seria a bebida a solicitar para abatermos parte dos créditos (ou se preferir, estava tentando ser o ‘lado a lado b’, o cara ou coroa , o bem e o mal do carinha que estava ao fundo, a imitação foi boa, se considerarmos que foi no puro instinto, não tinha espelho nem nada... o cara é dos meus, é dos confirmados!)


Mas a decisão foi minha: Chocolate Java. Era para ter algo de chocolate, mas de cacau ou de javali não senti nada quase (infeliz esse trocadilho com o animalzinho, mas inevitável).


Como disse a Júlia, estava com cara e sabor de Piña Collada... o importante é que estava muito bom, muuuuuito bom. E cereja, isso não pode faltar cambada, e claro, não faltou!


Tão bom que teve gente monopolizando o restinho do drink...


E carambolas, ainda temos créditos, vamos pedir mais alguma coisa. Comida não, todos satisfeitos (naquelas, acho que todos topavam comer mais, mas... regime nessas horas é uma boa ideia). Vamos bebemorar, vamos de milk-shake de ovomaltine.


Tão bom quanto o drink anterior, mas esse sim tinha o sabor de chocolate, cremoso, gelado, e com muito, muito chantilly...


Era o drink perfeito para fazer aquele tipo de coisa de adolescente... ou de adultos que não tiveram infância...”ô tia, ô ‘nove tlês’ clica uma foto pra nóis ae? Valeu bródinho!”


O Felipe até tentou...


Mas dessa vez eu é que monopolizei o resto da bebida...


E devidamente finalizado.



A essa altura o Felipe não era mais o mesmo, acabado de sono e nem nos aguentando mais... sim, ele é fraco.


E a Luciana fazendo cálculos... cálculos, a essa hora e nesse momento?


Bom, eu sei que já tínhamos fechado a conta, mas algo me incomodava, acho que não torramos completamente os 38 reais. Garçom, ô do beisebol, ô 93 ou 39 (meus olhos já invertiam os números, percebam), tem quanto de crédito? A Luciana tá fazendo uns cálculos e temos créditos ainda (cool, a JÚLIA FOTÓGRAFA, ÇÚÚÚUA LIMDIIIÁÁÁ, captou o momento e registrou o 93 ali no fundo, ele existe mesmo!).


A resposta foi: 3 reais. 3 reais rola um café?  Rola. Então manda um cafezinho para fechar a conta em definitivo (infelizmente não tiramos fotos, mas acompanhamos o diálogo do 93 com a gerente: eles pediram café para encerrar... caraca, eles investiram 240 reais para 4 pessoas e ainda não acabaram! É, mas eles ainda têm direito a um café...).


A Luciana falou que estava muito, mas muito forte, que até defunto levantava... manda ver, é desses cafés que eu gosto, para passar mais algumas horas incomodando os amigos.


No fim das contas investimos o valor de forma integral, entre muitas risadas, bagunça e histórias contadas. Esse Joe e seus hambúrgueres, suas batatas, seus descontos... esse Joe..., ops (vamos dar o crédito para o outro também) esse tal de Leo’s manja mesmo das coisas, mesmo com hambúrgueres e molhos trocados foi uma noite memorável, com direito a ainda passar no super, comprar ruffles, Coca e ir para casa, curtir um filme pela madrugada adentro... maior curtição!


E já que tudo estava muito bacana e em clima de curtição, a Luciana deu a dica de filme para escrever... a escolha foi certeira!

Clássico dos anos 80, Curtindo a Vida Adoidado imortalizou o personagem de Ferris Bueller, um cara muito gente boa que só quer aproveitar seu cotidiano de maneira intensa, ignorando escola, pais e saindo pela Nova York e fazendo de tudo um pouco. Ou como diria a Júlia: essa turminha do barulho vai aproveitar várias confusões e virar Nova York de penas pro ar... Curtindo a Vida Adoidado, com Matthew Broderick, na Sessão da Tarde!






P.S.: apesar de todos os nossos comentários, reforçamos que o 93 é um funcionário que já atendeu esses os famintos cinéfilos (ou cinéfilos com fome, ou famintos do cinema... ah, vocês entenderam não é mesmo?) em outras oportunidades e sempre foi muito tranquilo, ágil e eficiente, só dessa vez que uma ou outra coisa ficou trocada, como vocês puderam ler. E finalizamos afirmando que o 93 em nenhum momento sofreu quaisquer tipos de bullying dos 4 personagens dessa postagem: Cinema e Culinária são contra o bulliyng, apoie essa ideia.





Rua Tulio de Rose, 80 – loja 336 – Passo D’Areia – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3362 6297 / 3362 6373

3 comentários:

  1. Coca, hamburguer e batatas fritas (deu uma fome)... Gostei do filme escolhido, muito bom. Voltei no tempo, tempo em que sessão da tarde passava filme bom. Vou ter que assistir esse hoje... hahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Joe & Leo´s é perfeito para essa trinca que você citou, em especial hambúrguer. E sobre o filme, é clássico mesmo!

      Excluir
  2. Olá pessoal, parabéns pessoal!!! Mas Maza, é sofrimento ver tantos restaurantes legais quando se mora numa cidade sem mtas opçoes ehehhehehe, parabéns, adorei. Minha irmã vai a Porto Alegre este ano e vou pegar dicas de restaurantes aqui pra passar a ela. Beijos. Jamile Neumann Costa de São Bento do Sul / SC

    ResponderExcluir