Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

24/07/2012

A Cachaçaria Água Doce que é muito mais do que Cachaça da boa.


Nunca fui de fazer festas de aniversário. Nem tanto Happy Hour’s. O segundo, pelo fato de a maioria das pessoas não ter o costume de comparecer (isso mudou um pouco de 2010 para cá, meus amigos cinéfilos não costumam me sacanear, grato pessoal!) e o primeiro... sei lá, nunca foi meu estilo. Mas então pensei, por que não comemorar, nem que seja para ganhar presentes? E assim foi. E um local em que inúmeros HH’s e aniversários foram comemorados por este que vos escreve foi a maravilhosa Cachaçaria Água Doce.

Em um primeiro momento bate aquele receio, é só cachaça que tem no local? Veja essa imensa “pipa” no deck de entrada. Onde inclusive temos essas mesinhas a disposição.


De cara fico mais ainda com dúvidas, pois vejo dois barris com cachaça, uma mais envelhecida e outra mais nova... fortes, mas saborosas.


Mas aos poucos vou vendo que a casa tem de tudo um pouco, ceva da boa, drinks variados, bebidas de cola. E as comidinhas, uma melhor que a outra!

Mas vamos conhecer um pouco da casa?

Passamos pela entrada...


Mais alguns barris (agora de enfeite, ou não, nunca tentei ver se tem cachaça dentro deles... rsrsrs).


Mas essas garrafas aí, com certeza têm coisa dentro!


O bar...


... e o salão dos fundos, onde inclusive ocorrem as apresentações musicais, nos dias em que isso ocorre (miseravelmente esqueci de tirar foto lá de baixo. Sim, eles têm uma área no subsolo, isolada e que funciona perfeitamente para fazer aquele evento fechado com um grupo maior de pessoas, especialmente para aniversários... já fiz isso algumas vezes e aprovo sem restrições!).


Olha que fantástico esse quadro!


Uma pequena parte do quadro no detalhe.


E que tal mais outra? Sim, esse quadro é magnífico!


Existe uma sala onde a parede é decorada com esse quadro com a História da Cachaça. E é claro, vários objetos relacionados ajudam a compor o ambiente.


Da minha parte digo, tem se tornado um clássico ir lá e pedir o famoso morango com champagne, que é servido em dois recipientes (copos, taças, entendam como preferirem), um espetáculo para abrir os serviços.

Dessa vez, no entanto, optamos por um drink clássico e outro que era novidade. Um é o Sexo na Lua, com tequila, groselha, licor de pêssego e laranja... tantas e tantas vezes voltei do cinema e fui ali e pedi mais de uma vez tal drink. Ali atrás tem um prato, mas já falo dele... rsrsrs


A Luciana já foi de Cookies Cream, que era licor de chocolate stock, vodka e sorvete de creme... muito gelado e saboroso, na medida. Nem conto como a ela ficou alegre depois desse drink. Ops! Já contei... tsc, tsc


Fomos lá com um cupom de compra coletiva, que dava direito a um Escondidinho, pedimos o de charque, mas quem disse que quando vamos ali ficamos só nisso? Dessa vez pedimos de acompanhamento uns camarões à milanesa (o prato que tinha aparecido de longe na foto do drink, chegou um pouco antes do escondidinho).

E chegou nosso escondidinho! Parece uma quantidade pequena, mas olha, é muito bem servido.


E esse toque de arroz e pimentinha, fecha todas!



E os camarões... não tem como não dar certo com esses bichinhos do mar!


Mais de pertinho:


Ahhh!! Os magníficos guardanapos de se usar aos montes:


No fim, estava mais do que satisfeito, pulei até as sobremesas variadas do cardápio. E é claro, pedimos pra embalar o que sobrou do nosso pedido. Ali até as embalagens pra levar têm estilo!


Mas e a cachaça Maza? Resolvi pedir uma garrafa de mel de amburana para levar. Recomendo, é do tipo de bebida bem suave no início, que lá pela metade você começa a sentir mais o gosto, e picante, marcante ao final (como é engarrafada na hora, saída do barril, desconsiderem o rótulo).



No fim tudo isso custou 120 reais (se fosse sem cupom de compra coletiva ficaria em torno de 145 reais). Considerando que pedimos drinks e não água ou refrigerantes que são mais baratos, que pedimos uma garrafa da “marvada” para levar para casa e ainda, que pedimos comida para sobrar para o almoço, o custo x benefício foi muito aceitável. E recomendo, conheçam a Água Doce, nem que seja num happy hour, aniversário e outros... não irão se arrepender!

Filme: muito se fala do Cinema Brasileiro e sua qualidade. Nos últimos tempos até as reclamações têm diminuído, felizmente pelo fato de termos produções cada vez mais variadas, de qualidade, mas também pelo fato do público estar – parcialmente – aceitando isso e indo mais ao cinema para ver as coisas feitas aqui. Ainda é algo pequeno perto dos filmes americanos? Óbvio que sim. Some-se a isso o fato de algumas praças de exibição ter um público cinéfilo participante, mas que não valoriza os filmes brasileiros, vide Porto Alegre (mas deixamos esse debate para outro momento...). Mesmo com isso, as coisas são muito mais amenas em relação ao que foi nos anos 90. No começo da década o excelentíssimo presidente da república, Fernando Collor de Melo, de triste memória, sem qualquer processo administrativo e similares, simplesmente leva ao fim da EMBRAFILME e as produções nacionais caem praticamente para zero. Só em meados da década as coisas começam aos poucos a melhorar, a voltar aos eixos. Mas ninguém parecia estar preparado para o filme que marcou os anos 90 para o cinema brasileiro, um filme que trouxe à tona o país, que atravessou o mundo ganhando dezenas de prêmios, sendo aplaudido de pé em outros tantos festivais, e só não é mais marcado pelo fato de um palhaço italiano e abobadinho da enchente (as palavras são minhas, joguem pedras em mim e não na Luciana) levar o Oscar no lugar da gente.

Central Do Brasil conta a história de Dora, escritora de cartas, que passa os dias trabalhando na Central do Brasil. Aproveitando da ingenuidade das pessoas, colhe os mais diversos depoimentos para supostamente postar as mensagens nos correios. Em uma dessas cartas encontra Josué e sua mãe, que pretende mandar uma carta para Jesus, seu pai. Quando um problema ocorre com a mãe de Josué, Dora se envolve com o garoto, atravessando o país para conhecer pessoalmente o pai dele.


A obra de Walter Salles é sublime em diversos momentos, seja no cuidado das locações, nas atuações, na sua fotografia que retrata um nordeste por vezes massacrado pela seca e pelas precárias condições de vida daquelas pessoas que mesmo com todas as adversidades acreditam em um dia melhor. Mesmo que se fale das atuações dos coadjuvantes de luxo, tais como Marília Pera (uma espécie de alívio cômico do filme, embora seja bem mais que isso), Othon Bastos, Matheus Nachtergaele e Vinícius de Oliveira (que atuação do garoto!), é Fernanda Montenegro que destrói neste longa. Uma personagem que muda com o passar da obra, que de pessoa amarga e enganadora se transforma, se revela uma pessoa amável, engraçada e ainda, uma pessoa que reencontrou alguma felicidade e riso ao lado de Josué, em um legítimo road movie brasileiro.


A cena final é de uma emoção como poucas vezes vimos recentemente no cinema brasileiro, capaz de arrancar lágrimas ou ao menos deixar de olhos marejados até aqueles que se dizem sem sentimentos. Uma obra e tanto do cinema brasileiro, que ganhou dezenas de prêmios pelo mundo afora, que só não foi melhor ainda porque infelizmente a maioria da população pouco ou nada sabe de Festival de Berlim, de Cannes, Veneza e outros, o importante é o Oscar, é aquele boneco dourado. E nesse caso, no ano que Central do Brasil concorria tinha a seu lado o apoio de Gregory Peck e outros atores enquanto a Miramax apoiava, patrocinava Shakespeare Apaixonado e em especial A Vida é Bela. No fim das contas todo mundo sabe o que aconteceu, o palhaço fanfarrão do Roberto Benigni levou filme estrangeiro e Gwyneth Paltrow melhor atriz. Em um mundo justo, Central do Brasil teria levado fácil essas estatuetas. Uma pena e não tira o brilhantismo do filme, mas divulgaria ainda mais o Cinema Brasileiro naquele período de quase fim dos anos 90.


Avenida Carlos Gomes, 1581 – Petrópolis – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3338 8261

Nenhum comentário:

Postar um comentário