Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

31/08/2012

Mr. Batuta e sua polentinha bem crocante!


O Mr. Batuta é um local em que eu e o Maza já fomos outras vezes. Acredito que essa deva ser a quinta ou sexta visita ao estabelecimento. Já experimentamos massa, petiscos, entre outros. Dessa vez fomos com cupons de compra coletiva, mas daqueles que sites fazem em seu ano de aniversário, logo o preço é bem, mas bem mais baixo que o habitual.


Dessa vez (diferentemente das outras) o começo foi meio atabalhoado, levou em torno de 10 minutos para que um garçom viesse em nossa mesa, e ao chegar prontamente se desculpou pela demora alegando que estavam com pouco pessoal aquele dia. Chegamos logo depois da abertura da casa, mas já havia clientes, creio que 2 ou 3 mesas.


Por falar em mesas, vamos ver um pouco do ambiente. São 4 salas interligadas (se não me falha a memória, são 4 sim), o local lembra bem uma residência. Ali adiante podemos ver um pessoal já mandando ver em seu happy hour.


Um quadro ao fundo, onde nessa noite havia um músico tocando (tirei a foto enquanto ele organizava as coisas para tocar).


Um quadro de recados, onde as pessoas podem escrever algo e deixar pendurado ali.


Um simpático telefone antigo, acompanhado de algumas palavras.


E esse negócio (que não consegui identificar o que é... hehe), ao ladro de um extintor de incêndio.


Mas voltando, quando o garçom chegou à nossa mesa apresentamos nossos 3 cupons (2 individuais de mesmo prato e 1 para duas pessoas) e o mesmo tentou desconversar (infelizmente essa é a palavra mais apropriada para o que aconteceu), informando que não poderíamos utilizar os cupons juntos. Alegamos que havíamos ligado cerca de hora e meia antes e que nos fora informado que poderíamos usar, por isso fomos. Ele conversou com outro colega (ou gerente) e acabou aceitando que usássemos, tudo foi resolvido.

Pedimos uma Heineken que chegou bem gelada, na medida.


Nossos cupons nos davam direito a uma porção de 500 Gr de polenta frita e mais duas batatas recheadas.

A batata recheada estava bem boa, saborosa. O recheio em si que achamos que viria com muita linguiça calabresa não era assim, era mais batata mesmo, o que foi super agradável.

A do Maza era maior (dessa vez foi o contrário, ele sempre diz que eu sou mais bem servida que ele, o que nem sempre é verdade... hehe) e veio com um molhinho mais vermelhinho...


A minha já veio com o molho mais verdinho.


Apenas notei que a batata estava morna, não sabia se era esse o propósito ou se de repente eu esperasse que viesse mais quente.

Recheio na medida!


A polenta frita estava muito boa, crocante por fora, molinha por dentro, quente e plenamente aprovada.


Foi uma experiência abaixo da média das outras vezes em que fomos ao local, mas ainda assim foi satisfatória. Comentamos ainda na hora de pagar a conta sobre essas pequenas coisas que falamos aqui, coincidência ou não, não nos foi cobrado o couvert artístico na conta, que conforme era informado na entrada da casa era de 5 reais por pessoa.

Nossa conta com os cupons ficou em pouco menos de 10 reais (sem os cupons ficaria em torno dos 50 reais). Mas é como comentei no início, nossos cupons foram adquiridos por uma quantia irrisória. O Mr. Batuta é um bom local, de fácil acesso e para todos os bolsos, pois sempre está lançando promoções. Não foi nossa melhor ida ao local, mas nem por isso nos impede de recomendar uma passada por lá.

Sou fã declarada de Woody Allen, isso vocês precisam saber. De início não foi bem assim, comecei com um filme que quase me causa um trauma por tê-lo achado realmente ruim, o que me rendeu um bom tempo de abstinência, até que resolvi dar uma segunda chance e enveredar pela vasta obra do diretor.

Recentemente resolvi fazer uma lista dos filmes dele que ainda não assisti e, aos poucos, ir riscando um por um de tal lista. Comecei num fim de semana com a excelente comédia Bananas, filme de 1971.


Aqui vemos Woody Allen jovem, na pele de Fielding Melish, que trabalha em uma empresa testando os equipamentos antes de os mesmos serem colocados a venda. Algumas cenas são realmente hilárias.

O filme como um todo tem umas tiradas muito boas, começamos a rir em uma cena e continuamos na outra, praticamente sem interrupção. A interpretação de Allen rouba a cena. Destaco duas cenas em especial: durante um auto interrogatório de Melish, acusado de subversão, e durante o jantar com ditador Vargas, talvez a melhor cena do filme.


Com um excelente roteiro (coescrito por Allen), o filme que começa bem, só melhora em seu decorrer, culminando em um final genial. O mestre Woody Allen sabe das coisas, e o bom é que ele não para, continua a nos presentear com uma nova obra a cada ano.



Rua Miguel Tostes, 290 – Rio Branco – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3019 3750

Nenhum comentário:

Postar um comentário