Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

05/03/2013

Wok Restaurante


Lá pelas tantas, com a cidade calma em um fim de semana de verão e começo de ano, resolvemos conhecer o Restaurante Tailandês Wok.

De cara nossa reserva era logo na abertura da casa, 19h45. Chegamos em ponto (embora antes enfrentamos um pequeno problema com um taxista, prefixo do táxi 4903, que queria nos cobrar uma taxa indevida ao fim da corrida e não anunciada no começo... realizado o registro com a EPTC, conforme própria orientação da empresa quando nos sentimos lesados por algum motivo) ao local. Casa recém abrindo, ótimo para tirar fotos do ambiente.

De cara observamos que é um ambiente menor, mais reservado.


Embora nada impeça de reunir os amigos para uma mesa redonda no mínimo diferente daquele tradicional happy hour com chopp e batatas fritas.


A Luciana foi registrando ainda as dezenas de taças a serem utilizadas naquela noite...


E os prêmios que o local já recebeu...


Caso o local esteja lotado, tem uma entrada com sofazinho esperto para aguardar (ficou um pouco desfocada a foto pessoal, sorry L).


Mas vamos olhar o cardápio, que de cara é diferente... estiloso, diz a Luciana.


Um pouco da história do local...


E as várias opções, sempre salientadas com um elefantinho, identificando o grau de ‘teor picante’ do prato...


Falando nos Elefantes, a Luciana adorou os guardanapos virem presos nesses elefantinhos de madeira...


Pena que tinha um com a tromba quebrada/cortada/eliminada...


Mas chega de papo e vamos de drinks!


A Luciana, mais pragmática, foi de soda aromatizada de framboesa, na medida!


E eu já fui de Wok, que consistia em espumante, morangos macerados e licor de pêssego... MUITO, mas muito bem servido, uma delícia de gelado!


Bom, resolvemos começar com uma entrada top da casa, Combinado de Thai Spring Rolls (massa fininha recheada com camarões, frango e temperos) e Crocante de Peixe Thai, o bolinho especial da casa... Top mesmo!


E mais uma olhada nos rolinhos, super recheados!


Bem satisfeitos com a entrada, fomos para o prato principal. Eu fui de Red Curry de Camarões com Abacaxi – com leite de coco, abacaxi, ervilha torta e vagem fina... vou te dizer uma coisa: que espetáculo de prato, que aroma, sabores ... e sim, bem picante... um dos garçons, sempre atencioso, ofereceu que se estivesse muito picante poderia devolver o prato para a cozinha para tentar aliviar o sabor picante... mas não tem, precisava encarar o sabor original do prato (embora admita, uma água mineral extra foi necessária para o meu combate...)!


Um arroz jasmim para acompanhar...


E a Luciana foi de Nasi Goreng com Abacaxi – Arroz salteado da Indonésia com camarão, frango, brotos de feijão, pimentões, abacaxi e farofa de castanha de caju... caraca, super servido o prato dela, não acabava nunca! rsss


Pra lá de satisfeitos com tudo, a Luciana resolveu provar o café deles... fala ae Faminta!

“Café dos bons, diferente, suave e marcante ao mesmo tempo. Aprovado!”


Fomos embora pra lá de satisfeitos e admirados, fascinados com o Wok Restaurante, um baita restaurante que Porto Alegre tem e disponibiliza para seus moradores! Nossa conta ficou em 124 reais (sem os cupons ficaria em 164 reais), valor mais do que justo para aquele começo de noite! Fomos embora (pegamos um táxi, prefixo 2754, extremamente educado, atencioso e correto, da mesma forma que criticamos quando assim é o caso, elogiamos quando também é o caso) já pensando em quando retornar ao local!

Na metade dos anos 90 eu escutava bastante alguns amigos falarem: cara, Perfume de Mulher é espetacular, é emocionante, é um dos melhores filmes que já vi, etc. Acabei vendo na época e ok, gostando, achando de bom a muito bom, mas nunca entendia o lance dos confetes e alegria toda em cima do filme. Mais de 15 anos depois resolvi rever o filme e mantenho a opinião sobre o filme.


Em Perfume de Mulher observamos inicialmente o estudante Charlie Simms (Chris O'Donnell) que pretende pegar um trabalho temporário por alguns dias, um fim de semana do feriado do dia de Ação de Graças. O anúncio é simplório, ‘cuidar de inválido durante tal período’. Indo até o local, acaba conhecendo o Coronel Frank Slade (Al Pacino), aposentado por invalidez do exército (ficou cego após uma granada explodir em um dia que estava bêbado além da conta, digamos assim). No fim das contas Slade não tem nada de inválido e os poucos dias se transformaram em uma jornada que envolverá amargura, dança, princípios e show de Al Pacino.


A trilha sonora de Thomas Newman me incomodou bastante revendo o filme. A todo o momento ela era colocada em cena, até em determinados momentos tensos, onde o silêncio se faria muito mais empolgante e crível. Outro ponto é a longa duração do filme (em torno de 2h36min), que mesmo que tenha pontos a explorar, como a construção do personagem Slade, não se justifica algumas passagens arrastadas (como uma segunda visita do estudante para reencontrar Slade ou ainda o momento no avião, passagens que poderiam tranquilamente ser eliminadas ou editadas, a fim de ficarem mais curtas sem que isso prejudicasse o andamento do longa).

Mas uma coisa era fato: Al Pacino ainda não tinha um boneco dourado na sua estante. No começo dos anos 90 se falava tanto nisso, ainda como se falava que Meryl Streep estava há anos por merecer um 3º Oscar. E o diretor Martin Brest sabia disso e os grandes momentos do filme são feitos inteiramente para ele: não tem como não achar linda a cena do Tango (com uma jovem e lindíssima Gabrielle Anwar), com o momento em que ele volta a pilotar uma possante Ferrari e sentir o ronco dos motores por Nova York e claro, o clímax do filme, naquele que é praticamente um monólogo sobre a defesa dos princípios éticos e como não simplesmente sair delatando colegas de seu cotidiano.


No fim das contas Perfume de Mulher funciona bem para acompanhar o trabalho de Al Pacino dominando a cena. De resto, é um filme que poderia ser bem melhor, se não fossem os excessos da trilha sonora (que quase estraga o monólogo final do Cel. Slade, tentando arrancar lágrimas da plateia) e a duração. Veja o filme pelo Al Pacino e aproveite sua atuação.


Rua Carlos Von Koseritz, 1604 – Higienópolis – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3023 7120
Horário de funcionamento: 2ª a sábado para o almoço das 12h às 14h e para o jantar 19h45 às 23h30.

Nenhum comentário:

Postar um comentário