Livraria Cultura

Pré Venda Harry Potter

16/05/2013

Italian Grill


Depois de quase um ano e meio trabalhando aqui, descobri um novo restaurante para almoçar perto do serviço, o Italian Grill. Se não bastasse a variedade e sabor do que é servido, ainda o atendimento das proprietárias, a Maristela e a Clementina, chegam para dar o toque final.


O local é amplo e dispões de várias mesas, o que imagino que faça com que mesmo no ponto alto do horário do almoço, seja possível conseguir um lugarzinho para almoçar. Na primeira vez cheguei perto das 13h e estava meio lotado, mas ontem voltei lá ao meio dia e estava bem tranquilo ainda.


A casa oferece um buffet super variado de saladas e frutas, além de sopa.


Temos também o buffet de pratos quentes, com um cardápio igualmente variado, e que é postado no facebook do local, sempre no dia anterior. Assim você pode saber de antemão o que vai saborear no dia seguinte.


Olha mais essas delícias que estavam no buffet...


Hummm... e essa couve ao lado desse a milanesa apetitoso?


Paramos por aí? Não, claro que não, temos churrasco! O pessoal assa a carne e deixa ali, quentinha na chapa esperando os clientes.


Depois disso é correr pro abraço... digo, sentar e aproveitar o delicioso almoço.

Tudo delícia, mas essa salada de maionese deles... hummmm


O buffet de sobremesas é extremamente tentador, e ao contrário de muitos locais que vemos por aí, no Italian Grill o pudim de leite tem gosto de pudim de leite, o pudim de laranja tem gosto de pudim de laranja, a ambrosia de ambrosia e assim por diante. Sobremesas feitas com todos os seus ingredientes (já provei pudins que era evidente a falta de leite) e com cuidado, a fim de proporcionar ao seu cliente o melhor em termos de doce.


Em função de que eu precisava provar de tudo um pouco tirar mais fotos, mostrar mais opções, me servi de sobremesa duas vezes... rsrs

Vai dizer, maria mole é o que há de bom, e com chocolate junto então... socorro.


Na segunda rodada: ambrosia, pudim de leite e pudim de laranja (o de laranja estava debaixo do de leite).


Na hora de pagar a conta que ficou em R$ 16,50 com um refri (o buffet sozinho é 14,00), aquele papo no balcão rodeado de chicletes, balas e bombons...


E para finalizar, aquele cafezinho esperto. Pronto, já posso voltar para o trabalho!


O Italian Grill é uma excelente opção aqui nessas bandas, além comida boa, excelente atendimento. E elas aceitam reservas para eventos de todos os tipos, dá uma chegada lá e fala com as gurias, serão muito bem atendidos!


Pensando, pensando... como o Maza já bem comentou por aqui, às vezes é complicado escolher um filme para falar quando se está meio sem tempo para assistir a vários, ou mesmo para rever um. E como sabem, somos também colunistas do Fila K, logo resolvi deixar com vocês a crítica que postei lá sobre o filme Amores Imaginários, de Xavier Dolan.


O nome de Xavier Dolan deve ser lembrado como o do jovem que dirigiu (e também roteirizou e atuou) Eu Matei Minha Mãe (2009), seu primeiro longa. E, além disso, por ter dirigido (e claro, também escrito e atuado) Amores Imaginários, seu mais recente filme, que apesar de ter sido lançado e ter levado o prêmio Olhares Jovens em Cannes em 2010, chegou somente agora em 2011 no circuito brasileiro.

Grandes amigos, Marie (Monia Chokri) e Francis (Xavier Dolan) têm suas vidas e sua relação balançadas ao conhecerem o inteligente e sedutor Nicolas (Niels Schneider). Nicolas é um rapaz recém chegado à cidade, é bonito e simpático e, em um primeiro momento, sente-se à vontade sendo o centro das atenções.


Depois desse primeiro encontro Francis e Marie ficam visivelmente abalados emocionalmente. E, na iminência de um novo encontro, ambos se esmeram ao máximo para ficarem à altura do rapaz. Nesse ponto, o acertado uso da câmera lenta, acompanhado da canção Bang, Bang, aqui interpretada na versão italiana pela cantora Dalida (é necessário falar sobre a canção de Nancy Sinatra: se em Kill Bill ela vai direto ao ponto, fazendo o paralelo logo após “A Noiva" ter levado um tiro na cabeça, aqui a canção funciona igualmente bem, exibindo toda a sensualidade e o ar provocante de seus personagens, seja através de um olhar, de lábios vermelhos, de roupas de “época” ou de um cabelo em forma de topete), e ainda aliados à fotografia intensa, de cores fortes de Stephanie Weber-Biron (peculiar a tonalidade das cores nos momentos em que observamos as conversas em alguns relacionamentos, a fotografia alterna entre tons vermelhos, verdes e amarelados), tornam o momento um dos pontos máximos do filme. Aliás, esse recurso da câmera lenta é utilizado com excelência por Xavier Dolan.

Aos poucos vamos percebendo a mudança estrutural dos personagens, que vão se moldando aos desejos de Nicolas. Marie encarna uma sedutora Audrey Hepburn, enquanto Francis, tenta fazer as vezes de Marlon Brando. Há uma reconstrução dos personagens, algo extremamente bem elaborado.


Breves pausas na história são realizadas pela inserção de depoimentos, relatos de pessoas que em algum momento já tenham passado por alguma desilusão amorosa, ou algo do tipo. Talvez, um dos únicos tropeços do roteiro seja o excesso dessas pausas, que em dado momento acabam por "quebrar a narrativa". Vale ressaltar que esses depoimentos são apresentados meio que de forma documental e até para ressaltar isso talvez o diretor tenha utilizado diversos planos nesses depoimentos, tais como plano geral, americano e próximo.

Enquanto Eu Matei Minha Mãe priorizava os conflitos entre mãe e filho, aqui, Amores Imaginários aborda com elegância os dissabores de um triângulo amoroso.


E, mais uma vez a câmera de Dolan é eficiente ao apresentar determinado personagem na condição em que se encontra em relação ao outro, como por exemplo, em determinada cena, a câmera venha a mostrar Francis em posição de inferioridade em relação ao seu interlocutor.


Como se não bastassem todos os acertos do roteiro, direção e as excelentes atuações, ainda temos um plano final que por si já valeria, em significado e riqueza de detalhes, por quase que o filme todo. Xavier Dolan é um nome altamente promissor, esse garoto tem talento.


Esta crítica foi originalmente postada no Fila K em 05/12/2011.


Rua Bagé, 521 – Petrópolis – Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3012 0993
Horário de funcionamento: de 2ª a 2ª das 11h às 14h30

Nenhum comentário:

Postar um comentário